WhatsApp
Loading

FALE COM NOSSO CORRETOR

PREFERÊNCIA DE CONTATO:

SOLICITE NOSSA LIGAÇÃO

PREFERÊNCIA DE CONTATO:

Mensagem enviada

Sua mensagem foi enviada com sucesso.

Você terminou!

Obrigado por preencher nosso formulário de feedback de pesquisa de compradores, alguém da nossa equipe entrará em contato com você em breve. Estamos ansiosos para ajudá-lo.

Bem-vindo a Authentic!

Obrigado por se escrever a nossa Newsletter.

Download completo!

Por favor, verifique seu e-mail para baixar nosso e-book.

Mensagem não enviada

Não foi possível enviar sua mensagem.

Servicios en español

Ofrecemos servicios en español. Contáctenos!
Tudo o que você precisa saber para comprar uma casa em Orlando
Tudo o que você precisa saber para comprar uma casa em Orlando

Para lazer, para morar, para investir… Se você sonha em comprar uma casa em Orlando vamos te falar tudo o que você precisar saber agora. Vem ver!

 

Na hora de comprar um imóvel você vai se assustar com os preços baixos. Lá é possível encontrar casa luxuosas por cerca de US$ 1.500 por metro quadrado! E as condições de pagamento também são tão boas como as oferecidas no Brasil. Você pode parcelar até 70% do valor do imóvel com juros baixos. Só para você tem uma noção, o preço médio do metro quadrado de um casarão luxuoso no Jardim Europa, em São Paulo, é de R$ 14.980. Ou seja, essa não é uma possibilidade de se jogar fora!

 

Vale a pena investir?

 

Os investimentos brasileiros em imóveis no exterior praticamente triplicaram entre 2008 e 2013, passando de US$ 1,9 bilhão para S$ 5,4 bilhões em terras e propriedades. E é nos Estados Unidos que se concentram 31% deste valor investido.

 

Mas os especialistas advertem: é preciso se informar bastantes antes de comprar um imóvel nos EUA. Se o lugar for financiado, por exemplo, o consumidor pode ser surpreendido com a alta do dólar. Isso se ele morar no Brasil e tiver a renda em reais. Aí correrá o risco cambial. Caso contrário, fica tudo mais fácil. Vale a pena também ficar atento ao imposto cobrado sobre a posse do imóvel, que equivale a cerca de 2% do valor total e é pago anualmente.

 

E mesmo com o dólar alto, os brasileiros não param de investir. Um exemplo disso está em uma das maiores feiras de investimento norte-americano no Brasil. A quinta edição da Investir USA Expo, bateu recorde de público no ano passado, com 2.500 participantes, com um volume de negócios mais de três vezes maior do que em 2014. Isso que naquela época ele estava a R$ 2,30 reais. Já na época desta edição, ele batia a casa dos 3,23 reais movimentando 32 milhões de dólares.

 

Primeiro de tudo é importante compreender como funciona o sistema imobiliário do país. Parecido com o nosso, ele tem alguns detalhes que é importante você ficar ligado para não chegar lá perdido ou então ser enganado.

 

Por onde começar

 

O primeiro passo para você começar e se planejar é escolher um imóvel. E o destino preferido dos brazucas é, sem dúvida, a Flórida, onde é possível encontrar casas em condomínios de luxo em Orlando, que custam cerca de US$ 1.500 por metro quadrado

 

Orlando, Miami Beach e outras cidades no sul do estado, como Fort Lauderdale também estão na lista das mais procuradas. E a procura já é tão grande que em quiosques de shoppings e outlets dessas regiões já existem pessoas vendendo imóveis com atendimento especializado para brasileiros. Acredita?

 

Contrate um broker

 

Nos EUA, ao comprar ou alugar um imóvel, o comprador deve contratar um corretor licenciado, chamado, lá, de broker. Sendo assim você precisará do auxilio de uma empresa especializada na cidade e no estilo de imóvel desejado. E saiba que já é possível contratar profissionais brasileiros! E se o comprador não puder estar presente para o fechamento do negócio, ele pode nomear um representante através de uma procuração.

 

Contrato

 

Mexer com um imóvel nos EUA é mais fácil do que você imagina – muito menos burocracia que aqui! O primeiro passo é abrir uma conta em um banco e uma empresa para a compra se for o caso (o que pode ser feito em um dia!). No entanto, você precisa de uma carta dos corretores de imóveis que estão fazendo a negociação.

 

É importante que seja no seu nome ou da família, pois, quando um norte-americano morre, 50% dos seus bens ficam com o governo. Ou seja, há uma elevada taxação sobre heranças no país.

 

Tributação

 

Os gastos com esse tipo de movimentação financeira são parecidos com os do Brasil, chegando a 2% e 3% do valor total do imóvel.

 

Pagamento

 

Aqui as taxas de juros e financiamentos são muito boas. É possível comprar 30% do valor total e financiar o restante. E a grande diferença é que no Brasil os bancos chegam a cobrar 10% ao ano para esse tipo de transação. Lá, apenas 4%.

 

E para conseguir crédito, são necessárias referências bancárias e bom histórico financeiro no Brasil, bem como a cópia da declaração do Imposto de Renda dos últimos dois anos, holerite e extrato bancário de três meses.

 

Já para os casos à vista é ainda mais fácil, precisando que o comprador somente comprove que tem o valor do imóvel em conta corrente e que possui passaporte com visto válido, seja ele de turismo, estudo ou trabalho.

 

Seguros e manutenção

Esteja atento à legislação norte-americana, pois ela é muito mais abrangente que a nossa. Ou seja, a possibilidade de problemas com ações judiciais é muito grande. Por isso lembre-se de contratas seguros para acidentes, que podem arcar com algo como uma luminária que cai e machuca alguém. Ou uma calçada com um buraco ou escorregadia. Ter alguém para fazer uma manutenção nesses casos também é muito útil.

 

Investindo nos EUA

 

Caso o seu desejo seja investir em imóveis nos EUA, a primeira etapa é identificar a melhor oportunidade do mercado. Para isso, você precisa de a ajuda de um corretor especializado em imóveis comerciais.

 

A segunda parte é identificar se já existe inquilinos ocupando o imóvel e qual o tipo de contrato que ele assinou com o proprietário. Existem alguns contratos em que o inquilino fica responsável por gastos como condomínio, seguro e imposto anual. Vale a pena checar, pois assim o proprietário recebe a renda líquida – o que não acontece nos casos residenciais.

 

Pense também em uma estrutura tributária em que você possa organizar o retorno e o investimento. Pois você pode investir individualmente, com amigos ou a partir de empresas especializadas nesse tipo de negócio. No entanto, para todas é importante se organizar.

 

Em suma, quem compra um imóvel pensando em alugar pode ter um retorno bruto com uma média de 1,5% a 2% ao mês. Se contratar uma imobiliária para buscar inquilinos, receber os aluguéis e fazer manutenção, a administradora fica com 10% a 15% do valor do aluguel.

 

Para saber mais informações entre em contato com um de nossos corretores e confira todos as nossas casas em Orlando.