WhatsApp
Loading

FALE COM NOSSO CORRETOR

PREFERÊNCIA DE CONTATO:

SOLICITE NOSSA LIGAÇÃO

PREFERÊNCIA DE CONTATO:

Mensagem enviada

Sua mensagem foi enviada com sucesso.

Você terminou!

Obrigado por preencher nosso formulário de feedback de pesquisa de compradores, alguém da nossa equipe entrará em contato com você em breve. Estamos ansiosos para ajudá-lo.

Bem-vindo a Authentic!

Obrigado por se escrever a nossa Newsletter.

Download completo!

Por favor, verifique seu e-mail para baixar nosso e-book.

Mensagem não enviada

Não foi possível enviar sua mensagem.

Servicios en español

Ofrecemos servicios en español. Contáctenos!
Retrospectiva da economia dos Estados Unidos em 2015
Retrospectiva da economia dos Estados Unidos em 2015

Apesar do crescimento moderado, 2015 é o melhor ano desde 2008 para a economia dos Estados Unidos

Depois da crise financeira que assolou os EUA em meados de 2008 e 2009, o país ainda se recupera da maior recessão desde a Grande Depressão de 1929. De lá para cá, a economia dos Estados Unidos sofreu um período nebuloso com desempregos e déficits elevados. Contudo, 2015 foi um ano otimista para os economistas americanos e, sobretudo, para a população do país.

Apesar de um começo de ano decepcionante, já que o Produto Interno Bruto (PIB) do primeiro trimestre cresceu apenas 0,6%, os EUA voltaram a crescer consideravelmente nos meses seguintes. Mesmo com a estabilidade na valorização do dólar durante os primeiros meses do ano, a moeda americana “virou o jogo”. Segundo o Departamento de Comércio, a partir de abril, a economia estadunidense cresceu consideravelmente, em virtude do aumento do consumo da população, mas voltou a ficar abaixo da média no terceiro trimestre.

Esses altos e baixos não refletiu na criação de novos empregos para a população. Pelo contrário. Desde o período que antecedeu a recessão, não se tinha tantos cidadãos americanos empregados. Segundo a agência France Press, só em novembro de 2015, 211 mil empregos foram criados, superando as expectativas dos analistas de economia. Agora a taxa de desempregados nos EUA diminuiu para 5% e o rendimento médio da população aumentou para $25,25.

Mesmo com o crescimento moderado em 2015, o atual quadro econômico abre precedentes para que o Federal Reserve (banco central americano) eleve os juros a partir de dezembro. O aumento (inédito em 7 anos) é uma postura adotada pelo Fed que sinaliza o fim da crise que assolou o país por quase uma década.